23/10/2018

PORTAL REÚNE INFORMAÇÕES SOBRE LONGEVIDADE

Plataforma do Centro de Inovação SESI – Longevidade e Produtividade possui indicadores, vídeos, publicações e notícias sobre envelhecimento humano.

O Brasil está vivenciando um crescimento acelerado da sua população idosa e uma redução no nascimento de crianças. As estimativas são de que o perfil da população passe por uma virada em 2030, quando o número absoluto e o percentual de brasileiros com 60 anos ou mais de idade vão ultrapassar o de crianças de 0 a 14 anos. Especialistas em longevidade alertam que nem a gestão pública e nem o empresariado estão preparados para esta nova realidade.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 2012 e 2016 o grupo de idosos cresceu 16% no Brasil, somando 29.566 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, o equivalente a 14,4% da população. Já o número de crianças caiu 6,7% no mesmo período. O IBGE ainda estima que a população idosa chegue a 66,5 milhões de pessoas em 2050, representando 29,3% da população, um percentual três vezes maior que em 2010.

Revolução da longevidade
Considerado o mais importante especialista em envelhecimento no Brasil e um dos principais no mundo, o médico Alexandre Kalache afirma que estamos vivenciando a revolução da longevidade. “Estamos envelhecendo de uma forma extraordinariamente rápida e isso tem implicações diversas, que merecem atenção”, alerta Kalache. O médico chama atenção para o fato para a estimativa de que de 1950 a 2050 a população global aumente 3,7 vezes, enquanto a população de pessoas com 60 anos ou mais cresça 10 vezes e a população de pessoas com 80 anos ou mais seja 27 vezes maior. “2050 pode parecer muito distante, mas estamos falando da velhice dos adultos de hoje. Basta ter 30 anos em 2020 para ter mais de 60 em 2050”, ressalta.

O aumento do número de idosos, associado à redução das crianças, implica em mudanças profundas em políticas públicas de saúde, assistência social e Previdência. “Em 2050 teremos uma proporção de idosos maior do que países como Canadá, que vem investindo recursos maciços para se preparar para este envelhecimento”, destaca Kalache.

Trabalhadores produtivos por mais tempo
A expectativa de vida ao nascer no Brasil era de 75,8 anos em 2016, quase três anos e meio a mais que em 2006, quando a expectativa era de 72,3 anos. Este envelhecimento da população é refletido no ambiente de trabalho. Em 2015, de acordo com dados da Síntese de Indicadores Sociais, mais de 7,7 milhões de idosos trabalhavam. O número equivalia a 8,1% dos 94,8 milhões de ocupados no país, sendo que uma década antes esta fatia era de 6,4%. “Temos pouco tempo para nos preparar para a revolução da longevidade, mas com programas de promoção da saúde nas empresas e políticas públicas adequadas é possível diminuir a taxa de declínio da capacidade funcional de modo a garantir um envelhecimento produtivo com qualidade de vida”, acredita Kalache.

“O envelhecimento em si é um dos principais game changers deste século e está mudando a forma como a sociedade de comporta. Sendo assim, é um tema que precisa ser debatido e trabalhado pela indústria, pois impacta na linha de produção e nas relações, por exemplo. É preciso investir na manutenção das capacidades para que os trabalhadores consigam envelhecer de uma forma ativa e saudável”, diz Noélly Mercer, coordenadora do Centro de Inovação SESI – Longevidade e Produtividade (CIS LP).

Portal dissemina informações
O CIS LP acredita que o envelhecimento da força de trabalho não é um problema, mas uma oportunidade para as empresas. Mas, para isso, é preciso, por exemplo, que as organizações estejam preparadas, tenham informações sobre a temática e comecem, desde já, a promover a saúde no ambiente de trabalho, estimular o relacionamento intergeracional e quebrar velhos paradigmas.
 
Foi com o objetivo de apoiar esta transformação que o SESI Paraná e o CIS LP lançaram, em 2017, o Portal Longevidade. A plataforma traz informações sistematizadas sobre o tema, incluindo mais de 200 indicadores, vídeos, publicações, dicas, agenda de eventos, além de informações sobre as soluções oferecidas pelo Centro de Inovação SESI – Longevidade e Produtividade. “O SESI Paraná desenvolveu uma grande expertise com a construção do Portal ODM (hoje Portal ODS) e percebemos que esta também seria uma boa maneira de disseminar a temática da longevidade não só para a indústria, mas para a sociedade como um todo”, conta Noélly Mercer, coordenadora do Centro de Inovação SESI – Longevidade e Produtividade.

Notícias Relacionadas